Avançar para o conteúdo principal

Vaso de madeira para jardim - Projecto do maridão

Desde que comprámos a casa, que temos vindo a melhorar o jardim aos poucos. Tem sido uma tarefa árdua, não só minha mas especialmente do maridão e do meu pai, pois têm sido eles a fazer o trabalho pesado.

Colocámos chapa branca a toda a volta (protege muito do vento e frio e também a nossa privacidade), relva artificial no chão, fizemos floreiras, partimos pedra no chão para termos cantinhos para cultivar, fizemos uma pérgula, plantámos muita coisa e neste momento apenas andamos a tratar de pormenores de decoração e organização.

Pois é de um desses pormenores que quero falar hoje. Há uns tempos ficámos apaixonados por uma planta que nos faz lembrar jardins zen. A planta chama-se cana-da-índia e é uma espécie de bambu. Sendo uma planta que possui o mais rápido crescimento alguma vez registado em todo o mundo, é importante ter alguns cuidados na sua plantação, isto claro, se não queremos "contaminar o solo". É que ela cresce desmesuradamente, se não tivermos cuidado. O segredo é limitar o espaço onde ela se desenvolve. Se for no chão, devem ser colocadas barreiras físicas a um metro de profundidade. Se optarmos por vaso, o problema fica resolvido. Foi o que fizemos.

Ora, escolhemos um vaso grande (mais um balde, a bem dizer) porque também queríamos que tivesse espaço para se desenvolver (tem crescido muito!) mas ao mesmo tempo precisávamos que esse mesmo vaso não destoasse da decoração do jardim. Lá fomos à procura de um daqueles vasos de madeira, daqueles que custam valores absurdos. Desistimos por dois motivos, pelo preço, claro, mas também porque não tinham altura suficiente para o balde da planta.

Maridão pôs mãos à obra (e aproveito para lhe dar os parabéns também por aqui porque, para quem pouco ou nada sabia fazer de carpintaria, acho que se saiu muito bem) e isto foi o que resultou desse trabalho...


O making of? É já de seguida...

Este é o balde.










Parece de cor diferente mas é apenas a luz.

Não vou estar aqui com grandes detalhes da contrução porque provavelmente ainda iriam ficar mais confusos. Caso alguém queira aventurar-se e tenha alguma dúvida, é mais fácil enviar email para aproveitaravidaja@gmail.com que daqui ajudamos o melhor que pudermos.

O resultado final já está no local destinado há muito tempo mas só agora consegui fazer o post. Fica a imagem. Espero que gostem.


Desejo um resto de dia zen a todos.
assinatura

Comentários

  1. Olá querida.
    Parabéns ao maridão!
    Do que dá para ver, o teu jardim está a ficar lindo!
    Adoro esse tipo de cana, onde conseguis-te?
    Elas precisam do solo sempre muito húmido, não é?
    Eu tenho umas num terreno meio abandonado, mas como estão junto a um charco, nunca trouxe nenhuma para casa com receio que morresse devido à falta de humidade constante no solo. Assim que o tempo melhore, acho que vou lá dar uma voltinha de sachola não mão:)
    Eu adoro esses tipo de vasos, tenho uns em pinho mesmo a pedir qualquer coisa.
    O que costumo fazer é com um acrílico (chapa, madeira, qualquer coisa), em formato quadrado cortado ao meio que caiba no interior do vaso, recortado com um circulo para dar para regar e as plantas crescerem à vontade e depois preencho os bicos do vaso (por cima do acrílico) com casca de carvalho ou seixo. Fica ainda mais bonito, parece que a planta está mesmo plantada no próprio vaso de madeira, pois não se vê o vaso de plástico. Beijinho.


    ResponderEliminar
  2. Deu trabalho, mas ficou um trabalho espetacular :)
    Parabéns ao marido.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Também gosto muito da cana da índia!
    SObre a relva artificial, fiquei curiosa. Como é que fazes a sua manutenção? Não perde a cor com o sol?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Raquel.

      A manutenção é mesmo muito pouca, basta salpicar com um pouco de água nas tardes de calor mais intenso.

      A relva que comprei deve ser mesmo boa porque após 3 anos de uso e considerando que mais de metade passa o dia inteiro à torreira do sol, não se nota diferença nenhuma entre essas duas partes.

      Bjs

      Eliminar
  4. Muitos parabéns ao teu marido pelo excelente trabalho, valeu a pena o esforço, ficou muito bem.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Ficou mesmo muito bem! E não conhecia essa planta semelhante ao Bambu.

    beijinhos

    Filipa
    www.welc-home.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Como conseguir refeições rápidas e saudáveis [com uma lista de ingredientes a ter sempre em casa]

Das várias ementas e preparações da semana que já publiquei, só numa delas partilhei as refeições que iria fazer nos almoços. De resto todas as ementas que lá estão, são para as refeições que fazemos ao jantar. 
Mas lá porque não falo sempre dos almoços, não quer dizer que não tenha de os fazer. E aqui tenho alguns truques para conseguir ter uma refeição minimamente saudável, em poucos minutos. 
Normalmente oriento-me pelo menu que o Tiago tem na escola, para garantir que não repito acompanhamentos e que alternamos carne e peixe. Uso também restos do jantar da noite anterior e garanto que há sempre sopa. Muitas vezes o meu almoço e do maridão é uma boa tigela de sopa, que acompanhamos com uma sandes, um wrap ou algo do género.





Deixo-vos então uma série de truques que me ajudam a acelerar a confecção das refeições (muitos já falei noutros posts) e os ingredientes que tenho sempre em casa, para garantir que despacho o almoço em pouco tempo. É claro que a lista varia de acordo com as prefer…

Livros "A Arte de Organizar a sua Vida" e "Adeus Coisas"

O primeiro livro "A Arte de Organizar a sua Vida", da autora de Hideko Yamashita, explica o método DAN-SHA-RI. Este método não é mais do que a união de três expressões japonesas que resumem os pontos mais importantes na arte de organizar a vida. São elas:

1. DAN, limitar a entrada do que não merece estar na nossa vida

2. SHA, eliminar tudo aquilo que não precisamos

3. RI, vivência tranquila, desapegada de coisas, com foco no “ser” e não no “ter”

O segundo livro "Adeus Coisas", do autor Fumio Sasaki relata a experiência pessoal de como passou de uma vida cheia de stress e rodeado de objectos, para um dia-a-dia simples mas mais feliz.



A minha opinião sobre os livros é que ambos são bons, valem bem a pena a compra mas se tivesse que escolher um, seria o "Adeus Coisas". Passo a explicar.

O que encontrei de diferente neste livro é que mais do que despejar teoria de como devemos livrar-nos de tralha e os benefícios disso (quando já se leu alguma coisa sobre mi…