Avançar para o conteúdo principal

Aproveitar o que a natureza nos dá


E se ela nos dá amoras, então vamos apanhar às carradas!


Foi o que fiz anteontem com os meus pais. Com o que trouxe consegui fazer dois frascos de doce assim mais para o líquido (com pouco açúcar porque vão ser devorados num instante), um sumo para o almoço e ainda congelei meia dúzia delas para dar um toque especial a um iogurte. 


Conto de apanhar ainda mais para congelar e ir consumindo durante o inverno. É que os benefícios dos frutos vermelhos são poderosíssimos, ora vejam por vocês próprios.
Foi por isso que também decidimos plantar, numa das floreiras do jardim, uma variedade de frutos vermelhos como framboesas, mirtilos e dois tipos de groselha.
Se puderem, façam-no também, nem que seja num vaso numa varanda. A vossa saúde agradece!

Desejo um dia saudável a todos.

assinatura

Comentários

  1. Olá Anabela,

    Quando era miúda amava apanhar amoras, e comia-as na hora, sem lavar nem nada. Já não apanho à muitos anos, tenho de voltar a fazer, era tão divertido.

    Bom apetite :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. este ano já fiz doce pois o meu pai e o meu filho já foram a elas, conto ir apanhar mais para fazer gelado! bjks

    ResponderEliminar
  3. Olá Anabela! Como posso plantar futos v. em vasos? Sou uma naba no que toca a plantações mas gostava de ter umas dicas. Obrigada pelas suas partilhas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Vera.

      Eu também sou uma naba no que toca a plantações. Basicamente pesquiso as condições atmosféricas que a planta necessita para se desenvolver bem, se mais ou menos sombra, se mais ou menos sol, etc. Depois pesquiso qual a melhor altura para plantar (isto é mesmo muito importante) porque não vale de nada plantar algo numa época errada pois atrasa e diminui a quantidade de fruto (pelo menos penso eu). No caso dos frutos vermelhos que já percebi são na maioria arbusto tipo silva, precisam de algo para se irem agarrando. Comprei uma coisa deste género http://www.aki.pt/produto.aspx?categoryid=100230&productid=15576&sid=0 e falta pendurar no muro quando as plantas assim o necessitarem.

      De resto basta que não sejamos exagerados e não plantarmos num vaso a mesma quantidade de plantas que plantaríamos no chão. Tudo com peso e medida.

      Não consigo ajudar grande coisa mas apenas te digo para começares devagar para entender o processo e a mesmo tempo não teres de investir tanto dinheiro.

      Bjs

      Eliminar
  4. As minhas melhores memorias da minha infancia são a apanhar amoras com os meus primos!!!!! adoravamos...
    há duas semanas atras, fui com a minha princesa apanhar amoras e ela adorou, pena não adorar comer hehehe

    beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Olá Anabela,
    gosto muito do seu blog e sigo-o sempre que possível.
    Considero que tem dicas muito úteis, é um sítio onde aprendo sempre qualquer coisa de novo e me inspira bastante.

    Em relação a este tema também partilho da sua opinião: devemos aproveitar ao máximo tudo que a natureza nos dá, principalmente se forem coisas saborosas como esta, as amoras.
    Adoro e também já apanhei bastantes com a minha mãe, para comer ao natural, para fazer doce e a minha mãe até vai experimentar fazer licor.

    Beijinhos,
    Marta Alves
    (ostrabalhosdamarta.blogspot.pt)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Como conseguir refeições rápidas e saudáveis [com uma lista de ingredientes a ter sempre em casa]

Das várias ementas e preparações da semana que já publiquei, só numa delas partilhei as refeições que iria fazer nos almoços. De resto todas as ementas que lá estão, são para as refeições que fazemos ao jantar. 
Mas lá porque não falo sempre dos almoços, não quer dizer que não tenha de os fazer. E aqui tenho alguns truques para conseguir ter uma refeição minimamente saudável, em poucos minutos. 
Normalmente oriento-me pelo menu que o Tiago tem na escola, para garantir que não repito acompanhamentos e que alternamos carne e peixe. Uso também restos do jantar da noite anterior e garanto que há sempre sopa. Muitas vezes o meu almoço e do maridão é uma boa tigela de sopa, que acompanhamos com uma sandes, um wrap ou algo do género.





Deixo-vos então uma série de truques que me ajudam a acelerar a confecção das refeições (muitos já falei noutros posts) e os ingredientes que tenho sempre em casa, para garantir que despacho o almoço em pouco tempo. É claro que a lista varia de acordo com as prefer…

Livros "A Arte de Organizar a sua Vida" e "Adeus Coisas"

O primeiro livro "A Arte de Organizar a sua Vida", da autora de Hideko Yamashita, explica o método DAN-SHA-RI. Este método não é mais do que a união de três expressões japonesas que resumem os pontos mais importantes na arte de organizar a vida. São elas:

1. DAN, limitar a entrada do que não merece estar na nossa vida

2. SHA, eliminar tudo aquilo que não precisamos

3. RI, vivência tranquila, desapegada de coisas, com foco no “ser” e não no “ter”

O segundo livro "Adeus Coisas", do autor Fumio Sasaki relata a experiência pessoal de como passou de uma vida cheia de stress e rodeado de objectos, para um dia-a-dia simples mas mais feliz.



A minha opinião sobre os livros é que ambos são bons, valem bem a pena a compra mas se tivesse que escolher um, seria o "Adeus Coisas". Passo a explicar.

O que encontrei de diferente neste livro é que mais do que despejar teoria de como devemos livrar-nos de tralha e os benefícios disso (quando já se leu alguma coisa sobre mi…