Avançar para o conteúdo principal

Da verdade dos sabores

Há muito tempo que penso fazer este post, principalmente agora que reduzi os açúcares refinados cá em casa. Quando encontro uma receita mais saudável das nossas gulodices habituais, noto que há sempre uma tentativa (exagerada, por vezes) em mostrar que o sabor é fantástico, que nem se nota a diferença da versão menos saudável, cheia de açúcares e gorduras e que os batidos verdes são tão apetitosos como os batidos de fruta com leite ou iogurte. Bom, temos de ser realistas. A história não é bem assim. A questão aqui é o nível de adição que temos ao açúcar e o estrago que este fez ao nosso paladar. Para quem a adição é grande, então a transição vai ser mais difícil. Um batido que eu considere bom pode não o ser para alguém que usa e abusa do açúcar. Um batido que eu considere doce o suficiente apenas com uma banana ou tâmaras como adoçante, pode precisar de muito mais do que isso para alguém cujo paladar é diferente do meu. Isto tudo para dizer que é preciso não ter as expetactivas demasiado elevadas e que podemos sempre ajustar a quantidade de doce ao nosso paladar. Não pensem que um batido adoçado apenas com o açúcar contido na fruta, consegue agradar a todos. O que vos garanto é que à medida que diminuem a quantidade de açúcares refinados que consomem diariamente, também o vosso paladar mudará e o que antes vos parecia sem sabor, passará a ser muito mais agradável.
Com isto não quero dizer que uma alimentação saudável não tenha sabor, antes pelo contrário. O que quero transmitir é que não devem desistir à primeira porque a facilidade com que se muda a alimentação não é igual para todos. Uns terão de fazer um esforço maior que outros. Só isso.

Saiba mais sobre o meu dia-a-dia
FACEBOOK | PINTEREST | INSTAGRAM

Comentários

  1. é verdade...
    É preciso mudar hábitos... mas não é fácil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por não ser fácil é que fiz este post. E também para tentar que quem tem expectativa elevadas não desista à primeira.

      Bjs

      Eliminar
  2. Boa partilha :)
    Eu ainda sou daquelas que resiste e não me perguntes porque .....
    O dia há de chegar
    Bom feriado
    Lulu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com calma, consegues. Começa por introduzir os que têm sabor mais neutro como pepino ou alface. E depois começas a mudar a proporção. O ideal é conseguires fazer batidos com mais quantidade de vegetais do que de fruta. E não é preciso fazer grandes misturas que o estômago agradece.

      Bjs

      Eliminar
  3. Não podia concordar mais :) e o mesmo em relação ao sal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, nem me lembrava da parte do sal mas aí nada que umas boas ervas aromáticas não ajudem.

      Bjs

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Organização do móvel da cozinha - antes e depois

Organização é um tema que gosto bastante de falar aqui no blog. Não faço tantos posts quanto gostaria mas isso não quer dizer que não vá fazendo pequenas organizações aqui e acolá. Gosto de ler tudo o que está relacionado porque os benefícios que me tem trazido são imensos. São eles:
- Redução de stress  e ansiedade; - Menos acumulação de tralha se existir um lugar para cada coisa; - Maior produtividade (porque não perdemos tempo a procurar coisas); - Maior rapidez nas limpezas; - Mais descanso ou momentos de lazer;
Mas com isto não quero dizer que a organização se faz num abrir e fechar de olhos. Leva tempo, garanto-vos. Primeiro porque não se consegue fazer tudo de uma vez (para ser bem feito, há que pensar bem no que se pretende) e, segundo, porque a organização escolhida pode não resultar. É mesmo na tentativa-erro. 
Cá em casa há ainda muito que fazer mas com calma e um bocadinho de cada vez, conseguimos uma maior fluidez no dia-a-dia.
Um dos cantinhos que há muito "gritava…

O que ando a comer ao pequeno-almoço

Ontem foi um dia complicado. Não que tenha acontecido alguma coisa de mal mas sim porque andei a correr, literalmente. Tive a consulta de rotina do Tiago, dos três anos. Esperei cerca de 30 minutos (depois da hora) e estive quase uma hora lá dentro. Ele está óptimo e recomenda-se. Apenas pequenas alterações na parte da sesta, a ver se as noites ficam melhores. Mas isto é tema para outro post. 
Ora, andei a correr porque quase não chegava a tempo da explicação das 16h, ainda por cima com uma nova aluna. Que stress, só vos digo. Tiago não dormiu sesta devido à hora da consulta e às 18h já ninguém o podia aturar. Deitar cedo era mais que imperativo. 
Foi um dia de correria mas que começou muito bem com um pequeno-almoço que tenho repetido todos os dias nas últimas duas semanas. E calculo que vos vá parecer bem esquisito mas eu adoro a mistura do pão, o queijo-creme e o tomate. Salpicado com coentros fica uma maravilha. Bem sei que isto não agrada à maioria e se calhar alguns até farão c…