Avançar para o conteúdo principal

Isto foi o que andei a experimentar (Creme de pastinaca)

Gosto muito de acompanhar os episódios do Masterchef Australia (mesmo quando os repetem). Num deles, a concorrente Emelia Jackson fez uma sopa de pastinaca que me pareceu deliciosa. Já tinha ouvido falar desta raiz mas nunca a tinha consumido. Um destes dias estava num supermercado e encontrei as ditas cujas. Devo dizer que não achei nada barato (também porque eram biológicas) mas decidi trazer porque gosto de experimentar novos sabores. Estas raízes são consumidas geralmente cozidas, fritas ou assadas, embora também possam ser consumidas cruas. O seu valor nutricional é excelente.
A receita adaptei da original da Emelia (aqui), até porque não tinha alguns dos ingredientes. Fiz muito pouca quantidade, não fosse detestar o sabor. Mas não, fiquei agradavelmente surpreendida, o sabor é maravilhoso, óptimo para surpreender os convidados num jantar especial. E para dar a volta ao preço, quem sabe se não as consigo cultivar no meu jardim-horta.
 
Creme de pastinaca (para 2 pessoas)
 
- 1 pastinaca
- 1 alho francês pequeno (apenas a parte branca)
- 1 cebola pequena
- 2 dentes de alho
- caldo de legumes ou galinha (usei água)
- 25ml de natas 
- pedaços de bacon (opcional)
- 1 ramo de cebolinho (usei salsa)
- azeite
- sal

Descasquem e cortem a pastinaca, a cebola, o alho e o alho francês em pedaços pequenos. Coloquem tudo num tacho e refoguem ligeiramente até a cebola ficar translúcida. Temperem com sal. Adicionem o caldo ou a água, apenas o suficiente para cobrir os legumes. Deixem cozinhar cerca de 10 a 15 minutos.  Findo esse tempo, retirem do lume, juntem as natas e triturem tudo com uma varinha mágica ou num liquificador. Poderão acrescentar um pouco de água se necessário. Por cima deitem os bocadinhos de bacon previamente fritos numa frigideira (não precisam de colocar gordura porque o bacon já tem suficiente) e o cebolinho ou a salsa.

E por aí, que receita experimentaram este fim-de-semana?

Saiba mais sobre o meu dia-a-dia
FACEBOOK | PINTEREST | INSTAGRAM

Comentários

  1. Não conhecia essa raiz, nem de nome nem tão pouco alguma vez a vi. Mas tal como tu, também gosto de experimentar sabores novos :)

    [Blog] |
    [Facebook]
    | [Instagram]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sabor é adocicado e há momentos em que faz lembrar a noz. E eu que nem simpatizo muito com a noz, adorei este creme.

      Bjs

      Eliminar
  2. Ai gosto tanto!!
    O nome tradicional português é cherovia e é muito comun da zona da Beira Baixa....e é tão dificil de encontrar fora de lá! :( E de cultivar também...lá na horta já tentámos mas sem grande sucesso...
    Curiosamente nunca a comi em sopa, mas deve ser delicioso!! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando pesquisei sobre a raiz, aparecia muito esse nome (cherovia). Para tentar cultivar, primeiro tenho que encontrar sementes. Vamos ver no que dá.

      Como costumas consumir?

      Bjs

      Eliminar
    2. Bem parecia...deu-lhe um soluço :)
      Ora então dizia eu...
      Adoro-as fritas passadas em ovo e farinha....mas há muito que cortei os fritos da alimentação, como cozidas como se fosse batata ou cenoura (acho que é da mesma família destas)...
      Lembrei-me que também devem ficar deliciosas no forno, como as batatas "fritas falsas"...tenho de experimentar! :)
      Fique curiosa com este teu creme, nunca comi assim. Quando as conseguir encontrar pelo Porto vou experimentar!
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Eu adoro cherovia! Comi pela primeira vez há uns, num restaurante na Beira Baixa, zona onde se encontra essa raiz com facilidade. Costumo comprar num mercado biológico, a uns produtores da zona de Tondela. É deliciosa em sopas, assada e frita. Já experimentei e fica mesmo bom! O teu creme ficou com um aspecto fantástico!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda tenho algumas. Acho que para a próxima vou experimentar assada, para todos experimentarmos.

      Bjs

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Organização do móvel da cozinha - antes e depois

Organização é um tema que gosto bastante de falar aqui no blog. Não faço tantos posts quanto gostaria mas isso não quer dizer que não vá fazendo pequenas organizações aqui e acolá. Gosto de ler tudo o que está relacionado porque os benefícios que me tem trazido são imensos. São eles:
- Redução de stress  e ansiedade; - Menos acumulação de tralha se existir um lugar para cada coisa; - Maior produtividade (porque não perdemos tempo a procurar coisas); - Maior rapidez nas limpezas; - Mais descanso ou momentos de lazer;
Mas com isto não quero dizer que a organização se faz num abrir e fechar de olhos. Leva tempo, garanto-vos. Primeiro porque não se consegue fazer tudo de uma vez (para ser bem feito, há que pensar bem no que se pretende) e, segundo, porque a organização escolhida pode não resultar. É mesmo na tentativa-erro. 
Cá em casa há ainda muito que fazer mas com calma e um bocadinho de cada vez, conseguimos uma maior fluidez no dia-a-dia.
Um dos cantinhos que há muito "gritava…

O que ando a comer ao pequeno-almoço

Ontem foi um dia complicado. Não que tenha acontecido alguma coisa de mal mas sim porque andei a correr, literalmente. Tive a consulta de rotina do Tiago, dos três anos. Esperei cerca de 30 minutos (depois da hora) e estive quase uma hora lá dentro. Ele está óptimo e recomenda-se. Apenas pequenas alterações na parte da sesta, a ver se as noites ficam melhores. Mas isto é tema para outro post. 
Ora, andei a correr porque quase não chegava a tempo da explicação das 16h, ainda por cima com uma nova aluna. Que stress, só vos digo. Tiago não dormiu sesta devido à hora da consulta e às 18h já ninguém o podia aturar. Deitar cedo era mais que imperativo. 
Foi um dia de correria mas que começou muito bem com um pequeno-almoço que tenho repetido todos os dias nas últimas duas semanas. E calculo que vos vá parecer bem esquisito mas eu adoro a mistura do pão, o queijo-creme e o tomate. Salpicado com coentros fica uma maravilha. Bem sei que isto não agrada à maioria e se calhar alguns até farão c…