Avançar para o conteúdo principal

Pasta fresca caseira

pasta_fresca_caseira
Já várias vezes que via fazer pasta fresca em programas de culinária. Nunca me entusiasmou por aí além. Também estava numa fase em que ainda não tinha conseguido acertar numa receita de pão que gostasse, por isso não me apetecia nada tentar algo que já estava à espera que corresse mal. 

Entretanto, surgiram diversas situações em que me apareciam receitas de pasta fresca caseira à frente. Fosse no telemóvel, no email ou até em folhetos de supermercados, onde cada vez mais se viam as famosas máquinas para esticar a massa. E foi numa dessas vezes em que vi uma receita óptima para congelar, que lá me decidi a experimentar.

A primeira vez não correu nada mal. Fiquei mesmo surpreendida com a facilidade com que se faz a massa. Apenas faltou deixá-la mais fina porque depois de cozer, fica mais espessa. Numa segunda tentativa, usei farinha de trigo integral. Não ficou lá grande coisa, por isso tenho de rever bem a receita. E à terceira tentativa, ficou uma maravilha. Consegui encontrar uma receita que me permitia adicionar a farinha específica para cada ovo. Isto porque fiz uma espécie de workshop de culinária para alguns meninos que costumam vir brincar com o Tiago. Como eles adoram meter a mão na massa, foram eles que fizeram a pasta. Não podia ter ficado melhor.

Segue então a receita que usei e que podem dobrar, dependendo do número de pessoas. 

Pasta fresca caseira (para uma a duas pessoas)

- 1 ovo
- 100g de farinha
- 1 colher de sopa de azeite (opcional, deixa a massa mais lisa)

Misture os ingredientes numa taça e depois amasse bem numa bancada, durante alguns minutos, até a massa ficar macia. Envolva em película e leve ao frigorífico durante uma hora. Findo esse tempo, estenda a massa com um rolo (ou com a máquina, caso a tenha), numa superfície enfarinhada, até ficar com uma espessura de cerca de 2 mm. Com uma faca ou um cortador de pizza, corte a massa em fatias finas, com cerca de meio centímetro. Leve a cozer em água e sal (só ponho sal na água e não na massa, fica melhor), durante cerca de dois minutos (a pasta fresca caseira coze mais depressa). E já está. Basta agora fazer um acompanhamento delicioso, de preferência que envolva tomate.

Esta massa dá perfeitamente para congelar, basta que a envolva bem em farinha, para não pegar. Coloquei-a num tabuleiro (como vêm na imagem) e levei ao congelador. Assim que congelou, tirei e meti em sacos. Aguardam nova refeição, que decerto será muito rápida de fazer, com a pasta fresca já feita.

Para uma próxima tentativa, vou experimentar ravioli. Depois conto tudo.
 
 
 

Saiba mais sobre o meu dia-a-dia
FACEBOOK | PINTEREST | INSTAGRAM

Comentários

  1. Hummmmmmm...

    Eu ando ao contrário. A ver onde comprar a maquina de esticar a massa para depois ir buscar receitas. Ao que parece, a receita já encontrei!! Obrigada . Bj

    Sonia
    www.minhacasinhaeassim.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Que giro, também ando a experimentar receitas de pasta (ofereceram-me a máquina).
    Não me tinha lembrado de que a podia congelar, obrigada!

    ResponderEliminar
  3. Olá Anabela!

    Gostava de saber que farinha utilizaste. Como sou intolerante ao glutén, tento evitá-lo ao máximo. Costumo utilizar farinhas sem gluten, aqui em casa uso várias, mas sei por experiência própria que nem sempre as receitas funcionam bem com estas farinhas "alternativas".

    Beijinho e obrigada pela partilha!

    ResponderEliminar
  4. olá
    sei que este post é antigo mas só descobri o teu blog há pouco tempo e estou a adorar. sabes se esta receita pode ser feita com uma farinha sem gluten? e se sim qual usarias?
    obrigada pela tua partilha!!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Bem vindo anónimo!

    Ora aí está uma excelente pergunta. Hoje vou experimentar fazer com a farinha sem glúten que tenho cá em casa (e preciso gastar). Virei cá para dizer o resultado. A farinha é esta https://www.celeiro.pt/produtos/350860-farinha-universal-biologica-sem-gluten-8000-gramas-kg-bauck-hof mas há opções mais baratas.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá novamente. Já experimentei com a farinha sem glúten que tenho cá em casa e tenho a dizer que não gostei. Não consegui estender a massa e tive que inventar uns rolinhos pequenos para conseguir cozer a massa. No fim, acho que ficou um pouco pesada. Talvez alguns ajustes na receita ajude.
      Bjs

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Organização do móvel da cozinha - antes e depois

Organização é um tema que gosto bastante de falar aqui no blog. Não faço tantos posts quanto gostaria mas isso não quer dizer que não vá fazendo pequenas organizações aqui e acolá. Gosto de ler tudo o que está relacionado porque os benefícios que me tem trazido são imensos. São eles:
- Redução de stress  e ansiedade; - Menos acumulação de tralha se existir um lugar para cada coisa; - Maior produtividade (porque não perdemos tempo a procurar coisas); - Maior rapidez nas limpezas; - Mais descanso ou momentos de lazer;
Mas com isto não quero dizer que a organização se faz num abrir e fechar de olhos. Leva tempo, garanto-vos. Primeiro porque não se consegue fazer tudo de uma vez (para ser bem feito, há que pensar bem no que se pretende) e, segundo, porque a organização escolhida pode não resultar. É mesmo na tentativa-erro. 
Cá em casa há ainda muito que fazer mas com calma e um bocadinho de cada vez, conseguimos uma maior fluidez no dia-a-dia.
Um dos cantinhos que há muito "gritava…

O que ando a comer ao pequeno-almoço

Ontem foi um dia complicado. Não que tenha acontecido alguma coisa de mal mas sim porque andei a correr, literalmente. Tive a consulta de rotina do Tiago, dos três anos. Esperei cerca de 30 minutos (depois da hora) e estive quase uma hora lá dentro. Ele está óptimo e recomenda-se. Apenas pequenas alterações na parte da sesta, a ver se as noites ficam melhores. Mas isto é tema para outro post. 
Ora, andei a correr porque quase não chegava a tempo da explicação das 16h, ainda por cima com uma nova aluna. Que stress, só vos digo. Tiago não dormiu sesta devido à hora da consulta e às 18h já ninguém o podia aturar. Deitar cedo era mais que imperativo. 
Foi um dia de correria mas que começou muito bem com um pequeno-almoço que tenho repetido todos os dias nas últimas duas semanas. E calculo que vos vá parecer bem esquisito mas eu adoro a mistura do pão, o queijo-creme e o tomate. Salpicado com coentros fica uma maravilha. Bem sei que isto não agrada à maioria e se calhar alguns até farão c…