Avançar para o conteúdo principal

Dicas para ambientadores caseiros

Já uso ambientadores caseiros há algum tempo. Falei pela primeira vez nisso aqui. Esses primeiros que fiz resultaram muito bem. Quando entrava em casa, sentia o perfume dos óleos essenciais do frasco que tinha perto da porta e de outro que tinha em cima de um móvel, perto da cozinha. Mas ao longo do tempo fui colocando outros espalhados pela casa, nomeadamente na casa-de-banho e na sala. Utilizei diferentes frascos, diferentes óleos de diluição e diferentes óleos essenciais. E com isto pude constatar que umas opções funcionam melhor que outras. Além disso, há outras condicionantes que farão ou não com que o ambientador funcione. Antes de vos dar o feedback, queria apenas lembrar que sendo naturais, não podem esperar a mesma capacidade de dispersão pelo ar que os comerciais. Aliás, este é um ponto sensível e aquele que faz com que muitas mudanças fiquem pelo caminho. O estarmos demasiado agarrados ao artificial e querermos que o natural tenha o mesmo comportamento. Como na maioria das vezes não tem, então não serve ou não funciona. Posto isto, cá vão então as dicas.

Tamanho do frasco e da abertura
Quanto maior o frasco e a abertura, mais depressa os óleos essenciais se evaporam, o que significa que a eficácia se perde mais rapidamente e torna-se necessário colocar mais gotas de óleo essencial. Por exemplo, este primeiro frasco que usei na casa-de-banho, não durou tanto tempo. Entretanto troquei por este.

Óleo de diluição
Já experimentei azeite (do mais barato), óleo de amêndoas doces e óleo de girassol. O que penso que funciona melhor é o óleo de amêndoas doces.

Óleos essenciais
Um dos óleos que coloquei na sala foi o de alfazema e saiu uma experiência furada, por mais gotas que colocasse. Com óleos mais fortes, como jasmim ou baunilha, resulta melhor.

Espessura e quantidade de pauzinhos
Recentemente troquei os pauzinhos dos ambientadores por uns mais grossos e aroma ficou mais forte só por essa razão. Não cheguei a colocar mais gotas de nada. É uma questão de procurarem paus de espetadas de maior espessura. Da minha experiência, resulta melhor. A quantidade de paus também conta. Quanto mais, maior é o aroma disperso.

Tamanho da divisão
Uma questão importantíssima é o tamanho da divisão. No hall e na casa-de-banho funcionam lindamente. Já na sala, que é grande, foi um fiasco (foi onde coloquei também o óleo essencial de alfazema). Depois da renovação desta divisão vou colocar mais do que um ambientador para ver se funciona. Direi alguma coisa depois.

Virar para durar
É imprescindível ir virando os pauzinhos para ter resultados, caso contrário não terão perfume.

Espero ter ajudado não só a quem quer experimentar pela primeira vez mas também a quem tentou e teve problemas. 

Saiba mais sobre o meu dia-a-dia

Comentários

  1. Adorei estas suas dicas! Obrigada, beijinho. Manuela

    ResponderEliminar
  2. Olá Anabela! Adorei a sugestão e fiquei com vontade de experimentar.
    Muitos parabéns pelo blog fantástico! Vou voltar :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Olá Anabela!
    Segui a sua "receita" de ambientador caseiro, mas infelizmente o resultado foi muito, muito, muito ténue (no que toca a aromatizar a divisão)! :(
    Andei a pesquisar e vi que a maioria de sítios brasileiros recomendam que o elemento diluidor/ veículo seja o álcool de cereais - que após uma pesquisa exaustiva na minha zona não encontrei! :/
    Voltei à Internet e vi que em alguns blogues sugeriam fazer a substituição do álcool (por ser tão difícil de encontrar) por vodka. Hoje é o dia 1 e, parece-me, que a experiência vai correr melhor.
    A Anabela nunca fez um aromatizador com álcool ou vodka??
    Lília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lília.

      Tenho ambientadores feitos com vodka. Pode vê-los aqui (http://aproveitaravidaja.blogspot.pt/2010/07/ambientador-em-spray-caseiro.html) mas uso esses em frascos tapados. E duram imenso. Neste tipo de ambientador que falei no post nunca usei porque li bastantes relatos de que o óleo essencial evapora mais depressa pelo facto de estar misturado no álcool(e é por essa razão que se sente muito mais aroma). De qualquer forma, se está mais satisfeita com essa opção, melhor. O que realmente é preciso é mente aberta para tentar a mudança.

      Bjs e obrigada pelo feedback

      Eliminar
  4. Que interessante! Nunca experimentei por acaso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Panquecas (ou crepes) sem ovos

Apetecia-me tanto panquecas e não tinha ovos em casa. Que chatice! Lembrei-me então de procurar nesse mundo maravilhoso que é a internet, se havia forma de fazer as ditas cujas sem ovos. E espantem-se, havia! A receita é a que deixo já de seguida. A minha opinião? Gostei, embora a textura fique densa em vez de fofinha. Mas não me surpreendeu, já estava à espera disto. Penso é que é capaz de ficar melhor se fizerem crepes. Só a minha opinião. Fica a receita.
Panquecas sem ovos
- 1 copo ou chávena (cerca de 200ml) de farinha - 3/4 copo de leite (para crepe colocar 1 e 1/3 copo) - 2 colheres de sopa de óleo - 1 colher de chá de fermento em pó - 1/2 colher de chá de sal
Colocar os ingredientes secos numa taça e misturar bem. Juntar o óleo e o leite aos poucos e mexer bem para não formar grumos. Aquecer uma frigideira anti-aderente (pode deitar um pouco de manteiga, se preferir) e colocar um pouco da massa. Quando esta ficar com furinhos, está boa para virar. Deixe ficar dourada de ambos o…

Organização do móvel da cozinha - antes e depois

Organização é um tema que gosto bastante de falar aqui no blog. Não faço tantos posts quanto gostaria mas isso não quer dizer que não vá fazendo pequenas organizações aqui e acolá. Gosto de ler tudo o que está relacionado porque os benefícios que me tem trazido são imensos. São eles:
- Redução de stress  e ansiedade; - Menos acumulação de tralha se existir um lugar para cada coisa; - Maior produtividade (porque não perdemos tempo a procurar coisas); - Maior rapidez nas limpezas; - Mais descanso ou momentos de lazer;
Mas com isto não quero dizer que a organização se faz num abrir e fechar de olhos. Leva tempo, garanto-vos. Primeiro porque não se consegue fazer tudo de uma vez (para ser bem feito, há que pensar bem no que se pretende) e, segundo, porque a organização escolhida pode não resultar. É mesmo na tentativa-erro. 
Cá em casa há ainda muito que fazer mas com calma e um bocadinho de cada vez, conseguimos uma maior fluidez no dia-a-dia.
Um dos cantinhos que há muito "gritava…

O que ando a comer ao pequeno-almoço

Ontem foi um dia complicado. Não que tenha acontecido alguma coisa de mal mas sim porque andei a correr, literalmente. Tive a consulta de rotina do Tiago, dos três anos. Esperei cerca de 30 minutos (depois da hora) e estive quase uma hora lá dentro. Ele está óptimo e recomenda-se. Apenas pequenas alterações na parte da sesta, a ver se as noites ficam melhores. Mas isto é tema para outro post. 
Ora, andei a correr porque quase não chegava a tempo da explicação das 16h, ainda por cima com uma nova aluna. Que stress, só vos digo. Tiago não dormiu sesta devido à hora da consulta e às 18h já ninguém o podia aturar. Deitar cedo era mais que imperativo. 
Foi um dia de correria mas que começou muito bem com um pequeno-almoço que tenho repetido todos os dias nas últimas duas semanas. E calculo que vos vá parecer bem esquisito mas eu adoro a mistura do pão, o queijo-creme e o tomate. Salpicado com coentros fica uma maravilha. Bem sei que isto não agrada à maioria e se calhar alguns até farão c…