Como melhorar o rendimento escolar do seu filho: Parte VII - Razões para procurar um explicador

abril 30, 2014 Anabela (Aproveitar a Vida) 1 Comentários

Cá vai a então a sétima parte da rubrica que falei aqui.
Começo por dizer que não tenho nenhuma formação em psicologia infantil ou área semelhante (a minha área é gestão), por isso as dicas e textos que vão ler sobre este tema são fruto da experiência de catorze anos a dar explicações e da aplicação prática (com respectivos resultados) daquilo que vou lendo em livros. Também não sou nenhuma mãe perfeita mas tento praticar a maioria das coisas que aqui falo. Não sei o que o futuro me reserva mas espero poder fazer uma grande diferença na vida do meu filho (pela positiva, claro!).
 
Hoje é para falar sobre as três principais razões que devem levar os pais a procurar um explicador. Aproveito também para dizer aquela que não deve ser usada. O de os alunos serem preguiçosos e não trabalharem em casa. Isto porque, se o aluno não frequenta um local pelo menos uma a duas horas diárias para que possa treinar como deve ser, acontecem sempre duas coisas, a primeira é usar o apoio para não fazer nada em casa (rigorosamente nada!) e a segunda é os pais colocarem as culpas no explicador (embora não o façam directamente) porque o aluno não subiu as notas. Há um descartar total da função de educar nesta área (orientar/vigiar os alunos nos estudos) que acham que passa a ser exclusivo do explicador. Enfim...

Mas voltando às razões para se procurar ajuda, penso que estas são as essenciais:

Rever bases
Esta é uma razão muito forte porque são tantas as vezes que os alunos que me chegam não conseguem ter notas positivas porque não assimilaram bem as bases dessa disciplina. A matemática é sempre uma delas. São também estes alunos (principalmente se forem mais velhos) que mais dificuldade tenho em ajudá-los a melhorar as notas, simplesmente porque as matérias que tenho de rever são muitas e o raciocínio mais complexo nesta fase, torna-se difícil de acompanhar.

Falta de métodos de estudo
Se vos dissesse a quantidade de miúdos que estuda matemática a ler, caíam para o lado. A matemática não se lê, exercita-se, escreve-se. Não há outra forma de treinarmos o raciocínio a não ser fazermos nós o exercício e não a ver um que já está feito. Escusado será dizer a nota que esses alunos costumam ter. Além disso orientar bem o estudo e o tempo de estudo também é importante. E isto aprende-se.

Falta de tempo de qualidade em família 
Nos dias de hoje, são muitas as famílias que não conseguem ter tempo de qualidade à noite. Os horários de trabalho são extensos, chegam a casa cansados e ainda falta fazer o jantar, dar banho aos miúdos, preparar tudo para o dia seguinte...ah, e fazer os trabalhos de casa, ajudar a estudar, tirar dúvidas...um stress! O resultado prático disto são conflitos, discussões e acabam por ir para a cama tarde e com um péssimo sentimento. Não tem de ser assim. Se um explicador/centro de estudo ajudar a atenuar este fardo, então força. Já tive pais que choraram à minha frente porque a relação com os filhos estava péssima à conta destas situações. O facto de terem alguém que ajude nos trabalhos e na organização do estudo é uma ajuda importantíssima para melhorar os laços familiares. Ficarem apenas com a função de fazer perguntas (que muitas vezes levam feitas do apoio) para verificarem se o aluno já sabe ou não a matéria ou verificarem cadernos e ajudarem no planeamento do estudo (ajudar a organizar calendários dos testes e trabalhos, por exemplo) é uma grande alavanca para conseguirem ter tempo de lazer com a família, sem ser só ao fim-de-semana.

Tenham um óptimo dia!

Poderá também gostar destes artigos

1 comentário:

  1. Olá como mãe de uma menina de 7 anos que está no 1º ano, estou muito desiludida com a escola. Estou cansada de tantos recados no caderno, a dizer que ela não quer trabalhar, que está sempre distraída, que é preguiçosa. Os livros de fichas estão cheios de mensagens: "NÃO FEZ!!!!" smiles nada sorridentes, A letra dela é horrível, não lê nada de jeito.... Só escapa na matemática. Já fez avaliação psicológica que mostra que tem capacidades mas não tem motivação. Quando lhe pergunto o que passa o dia a fazer na escola, diz que brinca. Eu pergunto: a professora não faz nada? Estou desesperada. Pois a irmã dela está no 4º ano e nunca tive nenhum recado no caderno, os livros estão cheios de smiles sorridentes.

    ResponderEliminar