14 de maio de 2010

Ingredientes a evitar!

Olá a todos,

Hoje o post vai ser muito informativo, talvez para explicar um pouco porque tento evitar a grande maioria de produtos comerciais vendidos por aí. Penso que muitas pessoas não fazem ideia da quantidade de produtos tóxicos que existem na maioria de produtos que utilizamos, quer sejam de higiene corporal, limpeza, cosméticos ou alimentos. E porque razão passam eles despercebidos? Simples, porque não os compreendemos!

Aqui deixo-vos uma lista dos principais a evitar:

Alpha Tocopherol ou D-Alpha Tocopherol:
mutagénico; ligado a problemas do sistema reprodutor feminino, desde infertilidade a cancro nos orgãos reprodutores e deficiências no feto; um ou mais estudos mostram efeitos no cérebro e sistema nervoso com doses baixas; testes in vitro em células mamíferas mostram resultado positivo para mutação das células.

Alkyloamides : geralmente identificados nos rótulos como:

Diethanolamine(DEA); Monoethanolamine(MEA); Triethanolamine(TEA), e por vezes precedido pelo nome "cocamide":
- classificados como tóxicos por alguns governos
- irritante para a pele (comichão, queimadura, urticária, etc)
- combinado com conservantes que contem formaldehyde torna-se cancerígeno
- se misturado com agentes nitrosantes na pele ou no corpo após a absorção, pode formar compostos cancerígenos
- perigoso para o ambiente (contaminação de água, ar e solos)
- MEA - sensibilizador dos pulmões: pode instigar respostas do sistema imunitário, que incluem ataques de asma ou outros problemas pulmonares e das vias respiratórias ; suspeito de apresentar riscos para a reprodução humana e desenvolvimento do feto
- TEA - suspeitas com evidências ainda limitadas de causar cancro

Benzyl Benzoate:
- fregrância química com uso restrito na UE; classificado como tóxico e prejudicial em produtos para usar à volta da boca e nos lábios; ligado a perigos para os trabalhadores que lidam com o produto, nomeadamente efeitos na saúde devido a exposição química.

Benzyl Salicylate:
- fragrância química com uso restrito na UE; conhecido tóxico do sistema imunitário e alérgeno para o consumidor.

Complexo Chlorophyllin-copper:
Persistente e bio-acumulativo na vida selvagem; testes in vitro mostraram mutações cancerígenas de células mamíferas, particularmente ao nível do sistema reprodutor feminino.

Colorantes Artificiais, ou Fragrância, “Perfume”(se não for qualificado como um óleo essencial)
“19% das crianças com eczema são sensíveis a fragrâncias”
Vários outros estudos indicam que os constantes aumentos anuais no número de dermatites está ligado ao aumento do uso de fragrâncias químicas.
Nota: Phthalates são alérgenos encontrados em certas fragrâncias químicas e vernizes de unhas – o uso de alguns está restringido a certas quantidades na União Europeia.

Cocamidopropryl Betaine:

sujeito a restrições no uso; conhecido tóxico do sistema imunitário; pode conter impurezas prejudiciais, nomeadamente Nitrosaminas, ligadas ao cancro; pode causar sensitização no contacto directo com a pele, com reacções alérgicas ao nível da pele e pulmões.

Hydrogenated Oils

Altamente processados e refinados, estas gorduras hidrogenadas não oferecem nenhum valor para a pele, e têm sido ligadas a doenças de coração devido ao endurecimento das artérias.

Lanolin:
Um produto derivado da lã de ovelha que tem sido ligado a sensibilidade da pele, devido a resíduos de pesticidas.

Methyldibromo glutaronitrile:
..não foi estabelecido nenhum nível seguro de uso de methyldibromo glutaronitrile(MDBGN) em produtos cosméticos…é recomendado que não seja usado em nenhum produto cosmético”
Nos últimos anos a EU tem reduzido o nível de uso permitido a este conservante para 0,1% em produtos de lavagem, mas ainda é comummente usado.

Nanopartículas:
Embora ainda não haja provas concretas, existem preocupações quanto a possíveis perturbações da química corporal.

Parabenos (butylparaben, ethylparaben, propylparaben, methylparaben…):
Para além de suspeitas de irritabilidade da pele, o uso de parabenos foi recentemente ligado ao cancro da mama, tendo sido encontrados vestígios destes conservantes em amostras de tumores.

Óleo de Amendoim:
Ligado a alergias agudas, interna e externamente, principalmente em crianças

Óleos de Petróleo (petrolatum, parafina líquida, óleo mineral)
- criam uma barreira na superfície da pele que bloqueia os poros, não deixando a pele respirar
- aceleram o processo de envelhecimento da pele ao encorajar a geração de radicais livres
- na União Europeia o uso de Petrolatum é muito restritivo - potencialmente contaminado com químicos ligados a cancro ou outros problemas graves de saúde (pode conter determinadas impurezas que podem causar cancro da mama)
- tóxicos para o ambiente

Propylene Glycol (derivado do petróleo):
-irritante para a pele (comichão, queimadura, urticária, acne, alergias)
- solvente de fácil absorção, altera a estrutura da pele, permitindo que outros agentes e químicos penetrem mais profundamente na pele, aumentando assim a quantidade que chega à corrente sanguínea

Sodium Hydroxide ou Soda Caustica:
- testes in vitro mostram mutação cancerígena de células mamíferas; irritante da pele e dos olhos; extremamente tóxico para os trabalhadores, é corrosivo e causa queimaduras severas em contacto com a pele e inflamação dos pulmões se inalado.


Sodium Hydroxymethylglycinate:
- pode estar contaminado com impurezas tóxicas, nomeadamente Formaldehyde, conhecido cancerígeno.

Sodium Lauryl(eth) Sulphate (ou outros sulfatos)
O sodium lauryl sulphate é usado em diversos estudos clínicos como um irritante da pele.
Podem conter 1,4 dioxane, um potencial carcinogénico e perturbador do sistema hormonal.

Estes são os mais comuns. Experimentem ler alguns dos produtos que têm em casa e vão ficar muito surpreendidos e o pior é que muitos deles aparecem nos primeiros lugares, ou seja, existem em maior concentração nos produtos. E os produtos para bebé!!!! Até mete medo! 

Existe um site onde podem saber mais sobre a toxicidade das marcas que usam. É o Cosmetics Data Base. Site muito útil.

É por estas razões que tento fazer os produtos em casa. Não é por uma questão de poupança (porque, por vezes, saem um pouco mais caros, mas nada de especial) mas sim por uma questão de saúde. Já falei anteriormente que tenho menos episódios de rinite alérgica e sinusite, menos tosse e noto também que certos problemas ocasionais de saúde deixaram de aparecer. Não estou a dizer que, de futuro, não irei ter esta doença ou aquela, o que estou a dizer é que podemos ter um pouco mais de qualidade de vida já e obrigar essas empresas que ganham milhões, a ter um pouco mais de respeito pela nossa saúde. Desculpem o desabafo...

Desejo um excelente dia a todos!

2 comentários:

  1. Obrigada pela divulgação,eu tb tento ler sempre os rótulos, infelizmente nem sempre conheço os ingredientes.

    ResponderEliminar
  2. Olá,
    Acabei de conheçer o blog e identifico-me perfeitamente com esta questão e dou por mim muitas vezes a pensar na quantidade de produtos que usamos diáriamente e que sem saber contêm substâncias nocivas.

    Pena é que a divulgação de produtos alternativos seja ainda muito muito deficiente.

    Já reparei também que existem marcas que querem passar a ideia de que são produtos naturais feitos à mão e isentos de quimicos, com embalagens rústicas, produtos inclusivé mais caros e depois quando se lê no rótulo tem os mesmos componentes dos outros, é preciso ter atenção. Porque nem sempre embalagens mais rústicas e produtos mais toscos são sinónimo de qualidade.

    Eu tenho tentado também adquirir produtos mais amigos do ambiente e da nossa saúde, mas nem sempre é fácil :(

    bp

    ResponderEliminar