Hábitos alimentares nas crianças

By Anabela (Aproveitar a Vida) - dezembro 04, 2009

Olá a todos.

O post de hoje é dedicado às crianças  e à terrível alimentação que vão tendo por ai. Eu trabalho com crianças há mais de 12 anos e, por isso, fui observando a alimentação que os pais lhe enviavam nos lanches e até mesmo aquilo que iam comendo em casa. Já lidei com crianças de todas as idades, desde bebés até miúdos já crescidos com 15 anos.
Posso dizer que a alimentação tem mudado muito, mas, infelizmente, para pior. Tenho 30 anos, não sou assim tão velha mas lembro-me que os meus lanches na escola eram sempre leite e pão com manteiga e fiambre ou algo parecido, tomava sempre pequeno-almoço e não havia essas coisas de "Bolicaos" e afins.

Já acompanhei crianças que, por comerem tão mal, tinham problemas de saúde dos adultos, como colesterol altíssimo, risco de diabetes e problemas de coração, respiração, etc...
É extremamente preocupante, principalmente, porque não vejo os pais a tomarem medidas. A desculpa é que eles não comem o que eles mandam, que se não derem o que querem, não comem nada em casa...e eu pergunto-me quem é que manda, se são os pais ou filhos? Se calhar se eles passarem um bocadinho de fome, talvez passem a comer aquilo que devem (já sei, isto é mais fácil de dizer do que fazer).

Também temos de ver que os maus hábitos não se perdem de repente, as crianças tem de ser reeducadas, não podemos querer que passem a comer alimentos saudáveis do dia para a noite. É necessário uma transição suave. Nem nós adultos conseguimos fazer isso, quanto mais eles. É bastante compreensível.


O objectivo deste post é dar algumas ideias para melhorar a alimentação das crianças que passam a vida a comer doces e mais doces e fritos e mais fritos...porque existem alternativas, que também sabem bem e com a diferença de que não têm todas aquelas gorduras e açucares que desgraçam a saúde das crianças. Também não quero com isto dizer que os doces  e os fritos devem ser retirados por completo, aquilo que digo é que devem diminuir esse consumo porque é exagerado, e substituir por alimentos mais saudáveis.

Deixo algumas ideias para ajudar:

LEITE:

Vi tantos miúdos a beber leite com chocolate todos os dias. Já alguém se lembrou de ver os ingredientes?  Para quem não sabe os ingredientes são colocados por ordem de quantidade, ou seja, os que vêm em primeiro lugar são os que existem em maior quantidade no produto. Sabem qual é o 2º ingrediente?  Acertaram, açúcar!

Alternativa: E que tal arranjar um frasco de vidro ou mesmo de plástico vazio, encher de leite e colocar chocolate em pó, misturar e não meter açúcar? O chocolate ou cacau em pó já é doce e será suficiente. Bom, bom seria leite branco, mas lá está a transição suave. Será que resulta? Poderão inclusive ter uma actividade com os vossos filhos de pintar a garrafa de vidro ou plástico a gosto. Será uma garrafa especial! E o dinheiro poupado ao fim do mês pode servir para dar uma passeio com eles. Sim, porque os miúdos precisam da presença dos pais, não é de mais e mais brinquedos!

IOGURTE

A mesma história do leite e para além do açúcar tem conservantes que de natural têm pouco.

Alternativa:

Fazer iogurtes caseiros. São excelentes, muito mais baratos e pode adicionar o açúcar, compota ou fruta que quiser sem ter nada artificial. existem muitos métodos de fazer os iogurtes, alguns bem mais fáceis do que este que indico. Não dê a desculpa que dá muito trabalho ou que não tem tempo. Faça isso pelos seus filhos e já agora com eles! Muitos miúdos adoram andar na cozinha a fazer experiências. Eu constatei isso quando fiz um atelier de culinária. Foi dos ateliers mais divertidos.

PÃO

Qual pão? O que é isso? Nem queiram saber a quantidade de miúdos que nunca levavam pão para comer. Era um horror. Em substituição era sempre aquelas porcarias de bolicaos, chipicaos e mais caos que houvesse.

Alternativa

Comecem por experimentar enviar uma carcaça (nada de pão de forma que está cheio de fermento e não ajuda nada os intestinos) barrada com qualquer coisa de chocolate (transição suave) mas a cada dia que passe variem sempre ao ponto de mandar a carcaça com chocolate apenas ocasionalmente. Queijo fresco pode ser uma opção além do queijo normal ou fiambre, a compota também é uma boa opção, desde que feita em casa. Talvez o segredo da transição esteja na variedade. Nada como experimentar.



FRUTA

Bom, se do pão era raro vê-lo, da fruta então, nem se fala.

Alternativa

Não é bem uma alternativa porque para ser uma alternativa era necessário que a fruta fosse uma presença nos lanches. Talvez enviar a fruta já partida fosse mais fácil para eles comerem. E depois com o tempo mandar normalmente. Será que resulta? Um problema é sempre a oxidação mas umas gotinhas de limão ajudam a retardá-la.


DOCES


Enviem apenas ocasionalmente, talvez como uma recompensa de bom comportamento. Ah e doces que sejam feitos em casa, porque, pelo menos, sabem o que vai lá dentro. Por exemplo, bolos caseiros, biscoitos, etc...

Espero que isto ajude, de alguma forma, a melhorar a alimentação das nossas crianças pois nunca se esqueçam que elas são o nosso futuro.

Tenham um excelente dia e desculpem este post tão longo!

  • Share:

You Might Also Like

6 comentarios

  1. Conheces Jamie Oliver? Ele fez um programa televisivo que visava levantar e resolver a questão da má comida nas escolas. Aqui não falas de comida da escola, mas lembrei-me do programa, porque a dada altura Oliver foi a um pediatra para perceber quais as implicações da comida processada na alimentação das crianças. Para além de casos de subnutrição e colesterol, o médico falou de miúdos que vomitavam fezes. Achas normal?

    Não é mesmo brincadeira nenhuma.

    Anabela, pessoas como tu nas escolas são mais que precisas. Obrigada pela profissão que escolheste.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Olá Humming,

    Eu adoro o Jamie Oliver, pela sua simplicidade na comida e pelos alimentos tão saudáveis.

    Neste momento não trabalho em nenhuma escola, não sou docente. Já trabalhei em algumas a dar cursos de Inglês e Informática. Outros trabalhos que tive foram todos em creches, ATL's e Centros de formação, pelo que lidava todos os dias com crianças e os seus lanches.

    Realmente não falo da comida das escolas porque não sei como ela é, nunca comi em refeitórios e quando comia na escola, até era bastante bom. O feedback que tenho é dos meus miúdos da explicação (neste momento dou explicações em casa a tempo inteiro) que dizem que a comida do refeitório é horrorosa.

    De qualquer forma penso que o problema em Portugal é a confecção da comida, porque é disso que os miúdos se queixam mais e a limpeza também. Faltam sempre mais vegetais, por exemplo, saladas. Mas o problema em Inglaterra é bem pior porque lá a comida era basicamente toda processada, o que é gravíssimo!
    O mal de tudo isto é que não há controlo de nada, nem cá, nem lá. Temos que começar a tomar mais atenção relativamente a certos assuntos.

    Bjs,
    Anabela

    ResponderEliminar
  3. Mais uma fã do Jamie aqui presente. Vi o programa que referem, mas também vi a parte em que certos pais o processavam pela tal mudança dos hábitos alimentares. Com os factores de saúde à vista, é inacreditável o comportamento dos pais, ao qual o Jamie não teve papas na língua ao responder-lhes que nem a própria rainha sabia neste momento o que era comida saudável.

    Anabela, somos portanto da mesma geração e também sei o que os meus avós/pais que davam para lanchar. Preferiam perder 10mn a lavar uma peça de fruta e a preparar uma sandes decente, do que 2 segundos a esticar o braço para tirar um bolicão do armário. Hoje vejo muito o factor de porcarias comestíveis a funcionar sobre o pretexto de se a criança se portar bem pode comer isto, ou então toma lá gomas repletas de açúcar só para te manteres calada quando bastava apenas um "não" ou um olhar autoritário.

    Acredito que lides com muita coisa no dia-a-dia tanto nos hábitos alimentares como na educação das crianças que nos faça reflectir para onde caminhamos. Por exemplo, esta semana fiquei a saber que uma menina de 6 anos recusa-se a sair de casa se achar que a própria mãe vai mais bem vestida do que ela. E eu com a expressão facial mais estúpida que tenho reagi: “Como?!” (Terei ouvido bem?)

    Um bem-haja para todos os bons exemplos e pessoas como tu que através de acções ou conselhos ainda possam fazer a diferença.

    ResponderEliminar
  4. Oix Linda...
    Adorei este post... Tenho um filhote, neste momento ainda não preciso preparar lanches, está na creche. Todas as semanas é afixado o que ele come em todas as refeições e a alimentação é muito saudável.
    A alimentação das crianças é na maioria das vezes reflexo da dos pais...
    Beijinhos...Boa semana
    Catarina Correia

    ResponderEliminar
  5. Tenho uma criança na primária e outra na pré. O pequenito leva sempre uma peça de fruta e um iogurte liquido pequenino. A mais velha leva todos os dias pão para de manhã, e para de tarde alterna entre pão, cereais, ou 1 pacotinho de bolacha água e sal. Acredito que algumas pessoas não tenham pão fresco de manhã e então optem por outras coisas, mas sei de crianças que levam todos os dias bolos para a escola. Os miúdos comem o que se habituam em casa, aqui só comem doces se comerem a comida toda. E se se sentarem e não lhes apetece comer, vai dar uma volta, quando tiveres fome aqui está a comida à tua espera. É dificil manter as regras, principalmente com os avós, ainda da outra vez a minha sogra já estava toda pesarosa: coitadinho do menino vai comer a comida toda fria, dê-lhe um bocadinho de fruta . Pois se come é porque quer, fria ou aquecida come aquela ou não come mais nada. Não os obrigo a comer comida que não gostam, também odiava quando me faziam isso, mas se é uma comida que eu sei que eles gostam têm de a comer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente tenho aqui uma menina na explicação que só traz porcaria para comer. E no caso dela (tem TDAH) ainda devia ter mais atenção. Com o Tiago também tento ter regras mas ele até come bem, o pequeno-almoço é que tem sido mais chato.

      Bjs

      Eliminar